domingo, 25 de outubro de 2009

Baile da Fortuna




Pêndula bateia na parede
Hoje morrendo de sede
Não passa de um enfeite banal

Já foi de seu dono, tempos dantes
Alvo de olhares delirantes
Tendo a sorte sua sócia imparcial

E a bateia nas mãos de seu dono
Bailava em seu próprio contorno
Num infinito e incansável ritual

O cascalho ciscado e lavado
Tantas vezes deixava apartados
Garimpeiro, esperança e ideal

E mais um dia se escoava
Com a dançarina bateia que bailava
Aos acordes da orquestra irreal

Apinhando a tantos, outro dia em vão
Desalentava-se ante impiedosa ilusão
Prevalecendo a fragilidade de mortal

Para na aurora seguinte, refeito
Rasgar outra vez outra vez o garimpo no peito
Numa ânsia indomável de se realizar

E quiçá..., como diz o destino que espreita
E fez feliz daquele que feita
Um teimoso garimpeiro chorar

Chorar de emoção extasiante
Exibindo na palma da mão enorme diamante
Para nunca mais garimpar

E hoje, varanda, espreguiçando na rede
Nem sequer observa na parede...
A bateia no prego, ao vento ainda bailar


Arley Notoroberto - Todos os direitos reservados


5 comentários:

Contos e canções disse...

Lindo poema...

Parabéns!

Arthur Melo disse...

Excelente poema, os versos, as rimas,
perfeito. Você consegue transmitir o que quer numa forma subjetiva, e ao mesmo tempo objetiva.
As vezes me arrisco escrevendo alguns poemas, mas nada tão profissional.


obs.:não dei calote comentei no anterior ao seu, porque o seu não apareceu.

Forlly disse...

Muito bom.
O jeito que você se expressa, as rimas, a mensagem parece simples mas voce as colocou em palavras harmoniosas que a transmitiu de maneira interessante.

http://youcanscream.blogspot.com/

Lailah disse...

Nossa, vc escreve muito bem e seu blog é bem interessante tanto quanto o de sua filha, vou comer a segui-lo, pois assim acompanho os poemas novos. Parabéns :D

Mimi rocks - fuckmylife.com disse...

és sem duvida alguma o melhor avô de toda a face da terra.
orgulho-me por saber que em minhas veias corre um pouco de teu sangue, e que em minha escrita pulsam um pouco de tuas palavras, e que em minhas musicas regozijam os teus dedilhados... e que em minha vida vivem as tuas lembranças.

Eu te Amo!

Mimi